Bem Vindo!​​​​​​​​​​​​​​

Somos uma rede de mobilização e articulação de instituições e grupos que atuam com a temática de sistema penitenciário.


Fonte: http://gmf.tjrj.jus.br/censo-sistema-prisional ( jan/2019) e SEAP-RJ

As prisões se consolidaram como o principal remédio para tentar controlar o crime, além de ter um custo altíssimo, o atlas da violência IPEA (http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/ ) mostra a escalada da violência ao longo dos anos, confirmando a ineficácia de só prender, fazendo a sociedade pagar muito caro por uma solução que não funciona.

A maior parte das pessoas presas no Brasil é de homens (95%), negros (64%) e jovens de 18 a 29 anos (55% do total). Somam 51% os que têm até o Ensino Fundamental incompleto, 4% são analfabetos, e 6% são alfabetizados sem cursos regulares, apenas 12% das pessoas presas no Brasil estão envolvidas em atividades educacionais. 

Também é baixo o percentual de pessoas privadas de liberdade que trabalham. Em junho de 2016, eram apenas 15% a nível nacional, a maioria (87%) realizando trabalhos internos e apenas 13% saindo do presídio para trabalhar. No estado do Rio de Janeiro menos de 2 % trabalham. ( fonte: https://igarape.org.br/na-porta-de-saida/ )


Não basta só prender, é necessário oferecer oportunidades de transformação.

O DESAFIO

43522

FAIXA ETÁRIA 

ENTRE 18 à 39 ANOS
__________

51863

POPULAÇÃO PRISIONAL

RIO DE JANEIRO
__________

15000

EGRESSOS DO SISTEMA PRISIONAL 

​​​​​​​EM ATENDIMENTO NO PATRONATO

__________

Cidadania que Liberta​​​​​​​​​​​​​​

Capacitação da rede​​​​​​​​​​​​​​

ARTICULAÇÃO PARA POLÍTICAS PÚBLICAS​​​​​​​

O QUE FAZEMOS

Estamos organizando inúmeras ações para promover o FORTALECIMENTO da rede aumentando nossa atuação, expandindo a representatividade com o ingresso de novos grupos e instituições e ampliando o impacto das nossas ações no cenário da política pública através dos eixos: ​​​​​​​

MISSÃO: Fortalecer grupos e instituições que trabalham com a temática do sistema prisional​​​​​​​

VISÃOSer referência nacional de rede que fortalece grupos e instituições que trabalham com a temática do sistema prisional​​​​​​​

​​​​​​​COMUNICAÇÃO

CAPACITAÇÃO​​​​​​​

PESQUISAS E PUBLICAÇÕES

“Para muitos de nós, foram à alavanca que impulsiona muitos sonhos para uma realidade.” 

“Obrigado por vocês existirem e lançarem sementes em meio a tanta pedra.” 

“Para mim tudo estava perdido sem possibilidade de recomeço. Agora digo com toda sinceridade que há sim uma chance de começar uma nova história de vida.” 

“Gostaria de agradecer a vocês por nos darem a oportunidade de recomeçar, poder sair daqui e fazer a diferença.“ 

“Agradeço muito pela oportunidade de participar de maravilhosos encontros e conhecer uma equipe tão comprometida em fazer pessoas sem esperanças tornarem pessoas com perspectiva de vida.”   

“Sou muito grato por diversas vezes ter tido a oportunidade de me expressar e por para fora questões que mal resolvidas poderiam trazer consequências piores.”

“Esse curso foi especial e importante em minha vida, me fazendo acreditar novamente em mim mesmo, espero de verdade que o trabalho possa continuar por muito tempo pois assim como eu, existem muitas pessoas dentro do cárcere precisando que alguém acredite neles.” 

Metas da rede para 2019

Ter 100 novas instituições que atuando com a temática sistema prisional com oferta de cursos de: desenvolvimento pessoal, profissionalizantes, empreendedorismo e geração de renda.​​​​​​​

Oferecer capacitação em gestão, comunicação, elaboração- execução-avaliação de projetos e captação de recursos.

Desenvolver banco de oportunidades para egressos e familiares.

Fale Conosco​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​

Depoimentos​​​​​​​​​​​​​​

EXPERIÊNCIA

O Projeto Cidadania que Liberta, iniciativa proposta pelo grupo de profissionais que compõem a Rede de Apoio ao Egresso do Sistema Penitenciário – RAESP, realizou durante o período de abril a dezembro/2018, o Curso de Formação para Cidadania, através de 8 encontros com os tema: Identidade, Família, Cidadania e Inserção Social, Capacitação Profissional, Condições do Mercado de trabalho, Planejamento Pessoal e Oficinas de Avaliação, com o objetivo de atender 120 pessoas em duas unidades prisionais, localizadas no Complexo Gericinó do Sistema Penitenciário Estado do Rio de Janeiro, localizado no bairro de Bangu, na zona oeste da cidade.    

O projeto foi executado nas unidades Moniz Sodré e Plácido de Carvalho, com 207 matriculados, 143 aprovados, 28 transferências, 11 liberdades e 25 desistências.  ​​​​​​​

A parceria com a Fundação Santa Cabrini, possibilitou encaminhar 68 concluintes da unidade Moniz Sodré para solicitação de Cartas de Trabalho, quem passa por um processo de análise do Ministério Público e  do Juiz da Vara de Execução Penal (VEP) para deferir ou não o Trabalho Extramuros, ou seja, sai para trabalhar durante o dia e retorna a noite para unidade, ficando retido nos fins de semana. É do nosso conhecimento que 20 desses concluintes encontram-se trabalhando. 

A seleção do projeto Cidadania que Liberta pelo Instituto Rio no edital de 2017, proporcionou uma mentoria e aceleração social para fortalecimento e desenvolvimento da rede, realizada em 9 encontros pelo Instituto Ekloos em 2018 que resultou na nova estrutura. Nesses encontros mapeamos as demandas da nossa area de atuação, identificamos os os pontos mais críticos,  definimos os eixos de atuação em rede com propósito causar mais impactos positivos, objetivos, metas e indicadores de avaliação. ​​​​​​​

PARCEIROS